10 ateus que levaram o ateísmo ao extremo

O ateísmo é responsável por muitos benefícios nas áreas da filosofia e desenvolvimento científico, mas como em qualquer movimento, tem seu quinhão de personagens do “mal”.
Como o ateísmo não tem necessariamente preceitos morais – fora no que diz respeito a ética natural –  é difícil entender como essa linha de raciocínio  influenciou seus comportamentos ou determinaram em seus movimentos políticos  – ou pessoal – as escolhas seguintes. O que tudo indica é que não importa o que a religião – ou a ausência total dela – reze ao certo, algumas pessoas são sempre seduzidas a praticar o mal, usando seus ideais e convicções para se justificarem.



10. Alfred Kinsey 

Alfred Kinsey foi um famoso biólogo americano, professor de entomologia e zoologia, que fez pesquisas inovadoras sobre a sexualidade humana
Sem dúvida, ele ajudou na evolução dos valores sociais mas, mesmo assim, tirou proveito em seu prazer sádico dentro de sua pesquisa, praticando perversões bizarras, incluindo exploração de crianças por sexo. Mais tarde descobriu-se que  grande parte de sua pesquisa não passava de fraude.

9. Napoleão Bonaparte 

Muitos concordam que Napoleão Bonaparte, foi fortemente envolvido na Revolução Francesa anticlerical, e era ateu. Dele foi a afirmação: ”as religiões foram feitas por homens”.
É considerado um dos maiores comandantes militares da História, e conquistou grande parte da Europa, armando um golpe e declarando-se Imperador. Foi considerado tirano e usurpador enquanto bania a anarquia na França pós-revolução.
Ignorou tratados e convenções, quebrando acordos em toda a Europa, saqueando os territórios conquistados. Seus 17 anos de governo resultaram na falência da França, a perda de muitos de seus territórios, seis milhões de europeus mortos, além do retrocesso econômico que levaria décadas para ser recuperado.

8. Than Shwe 

Than Shwe, ditador de 77 anos da Miamar, Birmânia, chefe da junta militar no poder.
Ele supervisionou a formação de uma das sociedades mais fechadas do mundo, onde não há noção de liberdade de imprensa e os jornalistas que se opunham a seu regime são detidos. Aung Suu Kyi, a líder do principal partido da oposição, é mantida em prisão domiciliar por ele. Os funcionários públicos são proibidos de renunciar. Miamar tem a maior taxa de crianças-soldados no mundo, e usa trabalhos forçados em projetos de construção.
Than Shwe mantém um perfil relativamente cabisbaixo, e até mal-humorado. No entanto, leva um estilo de vida extravagante, enquanto o seu povo continua numa vida de extrema pobreza e desastres naturais. Após a passagem do ciclone Nargis, ele recusou a entrada no país de muitas organizações de ajuda internacional



7.Kim Jong-II 

Kim Jong-Il é o verdadeiro líder da República Popular Democrática da Coreia, e responsável pela morte de quatro milhões de seus compatriotas coreanos.
Ele também está no centro de um culto bizarro à sua personalidade com histórias tais como:
“no momento de seu nascimento raios e trovões, e o iceberg na lagoa do Monte Paektu ecoou um som misterioso, quebrando-se em um brilhante arco-íris duplo levantando-se abundantemente(?) “.
Aquele que for pego roubando na nação atingida pela fome, ou na tentativa de atravessar as fronteiras, estarão sujeitos à execução pública. Kim continua com seu estilo de vida luxuoso e obsessão militar, apesar da economia em ruínas. Na Coreia do Norte, ele e seu pai são divinizados, considerados salvadores de todo o universo. 250.000 dissidentes se limitam a “campos de reeducação”.
Ele travou uma guerra contra a Coreia do Sul que envolveu o assassinato de líderes sul-coreanos e explosão de seus aviões. Ele apresenta uma grande ameaça para o mundo em termos de uma guerra nuclear, tendo convencido a União Soviética de lhe conceder um reator nuclear em 1984.

6 .Jeffrey Dahmer 

Jeffrey Dahmer , serial killer famoso e ateu convicto, condenado a 900 anos de prisão, disse que “Se uma pessoa não crê na existência de Deus que o torne responsável, qual seria o ponto de reversão de seu comportamento para mantê-lo dentro dos limites aceitáveis?”
Assassinou dezessete pessoas, entre homens e meninos, desmembrando-os, armazenando suas partes e praticando canibalismo e necrofilia. Em 1991, foi pego pela polícia depois de uma de suas futuras vítimas escaparam. Apesar de alegadoinocência com base na insanidade, o tribunal encontrou-o são e plenamente responsável. Mais tarde, expressou remorso.

5. Jim Jones 

Jim Jones levou seus seguidores ao ateísmo através do Templo do Povo, com base na Califórnia. Ele disse que “tomou a igreja e usou-a para trazer as pessoas ao ateísmo”.
Em 1978, 909 seguidores no restrito “santuário” comunista em Jonestown, Guiana, cometeram “suicídio revolucionário” a seu comando.
Isso ocorreu após a chegada de uma delegação americana, que segundo ele, estava conspirando contra o Templo do Povo. Homens, mulheres e crianças levaram um frasco de cianeto e morreram dentro de cinco minutos. Apenas algumas escaparam. Este evento foi a maior perda individual da vida civil americana, em um desastre não natural até 11/09.
* Nesta lista, esse item tem o status único de poder estar em ambas listas de assassinos (ateístas e religiosos). A razão é que a maioria das pessoas consideravam Jones o típico líder cristão, mas, como ilustra a citação acima, era realmente um estratagema para atrair pessoas à sua ideologia. 

4. Benito Mussolini 

Mussolini é notório por seus crimes de guerra como um ditador fascista durante a Segunda Guerra Mundial. Quando jovem, declarou abertamente seu ateísmo, e no início da carreira como político, era abertamente anticlerical. Líder fascista italiano do Partido Nacional, tornou-se primeiro-ministro em 1922 e acabou por ser um ditador que severamente restringiu a liberdade de expressão.
Mussolini, apoiado por Hitler, conquistou a Áustria. Em 1935, invadiu a Etiópia, usando gás venenoso, bombardeando hospitais da Cruz Vermelha e campos de concentração para matar civis e destruir culturas “inferiores”. Ordenou a execução sumária de prisioneiros, sem julgamento, e o fuzilamento de “gente ligada ao espiritismo”. Tropas italianas usavam como técnica de intimidação:  execuções públicas, tomada de reféns e queima de aldeias, na intenção de esmagar a população eslava da Iugoslávia.
Tais atos são reconhecidos e amplamente considerados atualmente como tentativa de genocídio. Mais tarde, ele tentou associar o fascismo com o catolicismo, a fim de angariar apoio, cada vez menor (no entanto, à sua viúva deixou claro sua convicção atéia). Mussolini era também profundamente anti-semita.

3. Mao Tsé-Tung 

Mao Tsé-tung liderou o Partido Comunista da China para a vitória na Guerra Civil Chinesa, ajudando a estabelecer a República Popular da China.
Tinha ambições de uma China forte, mas seus programas fracassaram completamente. A ele é responsabilizado a morte de 20 e 67 milhões de seus “camaradas”. Sob a sua regra insana havia uma cultura semelhante à anarquia, que destrui a produção e economia industrial do país. Seu “Grande Pulo do Gato” desencadeou uma fome catastrófica e maciça.
No entanto, ele é mais notório nos preceitos da “Revolução Cultural”, já que levou ao maior vandalismo cultural o mundo já conheceu: Antiguidades, sítios históricos, artefatos, documentos antigos, tradições feng shui , trajes tradicionais chineses e mosteiros: foram destruídos por estar associada com a “velhas maneiras de pensar”. Muitas cópias do Alcorão foram queimadas, grupos da Guarda Vermelha em todo o país destruíram a estabilidade política e educacional, criticando quem se considerava superior, destruindo reputações e vidas. Mao, em particular, levou uma vida de grandes desvios e excessos.
Ele também vingou-se de todas as pessoas, principalmente intelectuais e profissionais, que tinham-no desmoralizado no início de sua carreira. Qualquer pessoa com ligações ao Partido Nacionalista Chinês se tornava seu alvo, assim como qualquer um que representava ameaça para ele.
Cinco milhões foram executados em campos de extermínio. 36 milhões foram perseguidos e torturados. Houve até casos de canibalismo.



2 . Pot Pot

Pol Pot foi o líder do Khmer Vermelho e Primeiro-Ministro do Camboja a partir de 1976 a 1979, sendo líder de fato em meados de 1975. Durante seu tempo no poder, instituiu uma versão extrema do comunismo agrário, onde todos os moradores da cidade foram deslocadas para o interior para trabalhar em fazendas coletivas e projetos de trabalho forçado.
Estima-se que o efeito combinado do trabalho escravo, desnutrição, má assistência à saúde e execuções pode ter causado a morte de 2 milhões de cambojanos (aproximadamente um terço da população).
Seu regime teve especial notoriedade alcançada por destacar como ameaça todos os intelectuais, e outros “inimigos burgueses “, calando-os com seus assassinatos. O Khmer Vermelho promovia fuzilamentos em massa em lugares conhecidos como os campos de matança, onde os executados eram enterrados em valas comuns. A fim de poupar munição, as execuções eram muitas vezes realizadas com martelos, cabos de machado, pás ou varas de bambu pontiagudas. As tentativas de “purificar” o país resultaram na morte de 1,7 a 2,5 milhões de pessoas.
Ele também nutria especial antipatia por pessoas com a aparências inteligentes, tais como aqueles que usavam óculos ou que falavam outro idioma.

 1. Joseph Stalin 

 Stalin foi secretário-geral do Partido Comunista da União Soviética, no Comitê Central, de 1922 até sua morte em 1953.
Sob a liderança de Stalin, a Ucrânia sofreu fome (Holodomor) tão grande que é considerada por muitos como um ato de genocídio por parte do governo de Stalin. As estimativas do número de mortes faixa de 2.5 a 10 milhões. A fome foi causada pela decisões políticas e administrativas.
Além da fome, Stalin ordenou expurgos na União Soviética de qualquer pessoa considerada como inimigo do Estado (ou seja, capitalistas, teístas). No total, as estimativas do número total de assassinados sob seu governo estão na faixa de 10 a 60 milhões.
Seu governo promoveu o ateísmo como propaganda de massa na escola, e realizou uma campanha de terror contra os religiosos, esmagando a Igreja Ortodoxa Russa, destruíndo milhares de templos e fuzilando mais de 100 mil padres, monges e monjas entre 1937 e 1938.
Adolf Hitler é deixado fora desta lista, pois é amplamente reconhecido que, embora abominasse a religião organizada, existem fortes evidências de que ele se empenhou em um “misticismo nazi”, uma espécie de ocultismo próprio das organizações nazistas da época. 

Traduzido da Listverse / Via Cristão Confuso

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *